1º de Dezembro Dia Mundial de Prevenção contra AIDS


HIV-AIDS nos locais de trabalho

A Aids ameaça os princípios de justiça social e igualdade,
assim como o trabalho decente e produtivo realizado em
condições de liberdade, equidade, segurança e dignidade
humana.

Juan Somavia, Diretor Geral da OIT


    A epidemia do HIV/Aids atinge de forma decisiva a estrutura social, econômica e cultural dos países, constituindo-se uma grave ameaça ao mundo do trabalho.
    Segundo a pesquisa da OIT "El VIH/SIDA y el mundo del trabajo: estimaciones a nivel mundial, impacto y medidas adoptadas", de 2004, estima-se que mais de 38 milhões de pessoas vivam com o HIV em todo o mundo, a maioria delas entre 15 e 49 anos, e que, do início da epidemia até 2005, 28 milhões de trabalhadores em todo o mundo tenham perdido suas vidas em conseqüência da Aids. Esse número deverá sofrer um aumento expressivo caso o acesso a tratamento adequado não seja ampliado, podendo chegar a 74 milhões em 2015. Isso transformaria o HIV/Aids em uma das maiores causas de mortalidade no mundo do trabalho.

    Além de afetar as vidas de tantos trabalhadores e de suas famílias, a epidemia também atinge as empresas e a economia nacional. O impacto no nível de desenvolvimento se reflete na diminuição do crescimento econômico e na redução da renda nacional decorrente da perda de receita e do aumento do gasto público em saúde e previdência.

    O local de trabalho pode ajudar a conter a disseminação e mitigar o impacto do HIV/Aids, por meio da promoção dos direitos humanos, disseminação de informações, desenvolvimento de programas de capacitação e educação, adoção de medidas preventivas práticas, oferta de assistência, apoio e tratamento, e garantia de previdência social.

    O Repertório de Recomendações Práticas da OIT sobre o HIV/Aids e o Mundo do Trabalho, lançado durante a Sessão Especial da Assembléia Geral das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNGASS - Aids), realizada em Nova York, em junho 2001, e traduzido para o português em maio de 2002 foi elaborado em consulta com representantes de governos, de organizações de empregadores e de trabalhadores, e estabelece dez princípios para ações no local de trabalho, quais sejam:

  • reconhecimento do HIV/Aids como questão relacionada com o local de trabalho; 
  • não discriminação; 
  • igualdade de gênero; 
  • ambiente de trabalho saudável; 
  • diálogo social; 
  • screening para fins de exclusão do emprego ou de atividades de trabalho; 
  • confidencialidade; 
  • continuidade da relação de emprego; 
  • prevenção; e 
  • assistência e apoio.


fonte: http://www.oitbrasil.org.br/prgatv/prg_esp/hiv_aids.php

« Voltar